enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

21/02/2014 16:23h - Atualizado em 21/02/2014 16:23h

ROLOU NA SEMANA - EDIÇÃO 55

Por Correio do Vale do Rio Grande
Embromando
Em entrevista a Rádio Vida, na hora do Jornal da Vida, que vai ao ar às 12h, na quinta-feira, 21/2, o deputado estadual Cássio Soares reafirmou a disposição do governo de Minas em estadualizar a FESP. Mas teria dado uma escorregada ao afirmar que esta estadualização não se daria em março como afirmara Anastasia quando  veio em Passos no final de novembro de 2013.
 
Preocupa
A afirmação preocupa porque Antonio Anastasia deixa o governo no início de abril  para concorrer ao senado. Ele tem sido o principal avalista do processo que cria a UEMG descentralizada e espalhada por toda Minas.
 
Frustra
O grande problema é que se a estadualização não acontecer em março deste ano, o processo pode ser empurrado ad infinitum e pode-se dar adeus à estadualização. Esta frustração quanto ao destino final da estadualização com certeza respinga eleitoralmente em Anastasia como candidato a senador.
 
Dívida
O nó no processo é a dívida da FESP que, como se ventila, estaria além do limite esperado pelo governo. O engraçado é que tem gente do alto escalão que parece querer fazer esta dívida parecer maior do que ela é. Diz-se a boca pequena que ela está na casa dos R$22 milhões, mas andam querendo que ela pareça ser de R$50 milhões. O interesse óbvio, ao que parece,  é fazer o governo desistir da estadualização.
 
Para a plateia
Mas observadores da cena política afirmam que Cássio Soares pode  estar jogando para a plateia e que a ideia é criar dificuldade para vender facilidade, ou seja, ele surgiria como a pessoa que interviu junto ao governador para o processo acontecer dentro do previsto anteriormente, que é março agora.
 
Sai
Estes mesmos observa-dores relatam que já se tem notícia do secretário Narcio Rodrigues de que a absorção da FESP pela UEMG é favas contadas a partir de março deste ano. O importante é que lideranças locais não fiquem paradas diante dessas informações e cobrem do governo a estadualização como prometida pelo governador, isto é, que ela aconteça já.