enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

07/02/2014 16:25h - Atualizado em 07/02/2014 16:25h

ROLOU NA SEMANA EDIÇÃO 53

Por Correio do Vale do Rio Grande
Andanças I
Ainda sem alardes, mas com frequência, os propensos candidatos a cargo eletivo em 2014 se movimentam por todo o Estado. O deputado federal Renato Andrade, por exemplo, tem se movimentado muito pelo norte de Minas, levando benefício e, claro, almejando votos.
 
Andanças II
Quem também se movimenta, mais no âmbito de organização do PMDB, é o advogado Rodrigo Pacheco, que ontem esteve em Itaúna, ao lado do ex-deputado Marcos Lima. Ele participou da instalação da comissão provisória do partido naquela cidade. 
 
Consolidando
Rodrigo Pacheco tenta consolidar sua candidatura à câmara federal, que teve lançamento interno em Passos, no fim do ano passado, com a presença de cerca de 30 cidades. Pelo jeito a disposição dele é buscar mais aliados consolidando sua pré-candidatura.
 
Origem
Um tema recorrente nas campanhas eleitorais é a naturalidade do candidato. Isso é importante para a disputa porque candidatos da “terra” levam  a maioria dos votos do colégio eleitoral. Passos vive uma situação sui generis: vai ter quatro candidatos da terra. Dois concorrendo a deputado estadual (Tuta e Cássio) e dois a deputado federal (Renato Andrade e Rodrigo Pacheco)
 
Prova
Três nomes não precisam fazer esforço para isso. Renato Andrade, Tuta e Cássio já tem esta marca na consciência das pessoas. Já Rodrigo Pacheco, que é de Passos, mas mora em Belo Horizonte, embora tenha familiares residindo aqui, vai ter que mostrar isso.
 
Responde
Indagado ele responde: “Sou de Passos, de origem humilde, aos 16 anos fui para Belo Horizonte, estudei, formei e exerci a profissão na capital mineira. Minhas raízes estão no sudoeste de Minas e isto será fácil de mostrar”.
 
Sem preocupação
Rodrigo Pacheco diz que o centro de suas preocupações não é isso. Ele lembra que um candidato a deputado pode ter voto em toda Minas e que não vai ser bairrista na busca dos votos. “É cedo para falar em candidatura, porque só existirá candidato depois das convenções de junho”, diz. “Acho que o importante mesmo é que candidatos pensem e assumam propostas que resolvam os problemas das pessoas estejam elas onde estiverem”, destaca.
 
Vai marcar
Deve acontecer dentro de poucos dias a definição da data em que Antonio Anastasia virá a Passos no mês de março para assinar o decreto de estadualização da FESP. Esse assunto roda a boca pequena tanto dentro da fundação como em Belo-Horizonte. A população aguarda ansiosa.