enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

23/10/2013 15:45h - Atualizado em 23/10/2013 15:46h

A OPORTUNIDADE PARA DISCUTIR EMPREGOS

Por Carlos Alberto Alves

A economia regional dá sinais de enfraquecimento neste segundo semestre. Não é uma constatação científica, mas é perceptível o arrefecimento da geração de renda e emprego. Em Passos, para tomar o exemplo da maior cidade da região, as portas que se fecham na avenida da Moda assusta, assim como também preocupa os sinais vindos da exploração da lavoura de cana, com a indústria que faz a manufatura  cada vez mais dispensando empregados, seja pela mecanização, seja pela dificuldade em manter o negócio em razão de uma crise vivida pela empresa há muitos anos.

Em outro ponto da região, a demissão em massa, ao que parece, na Mineração Fortaleza, no município de Fortaleza de Minas, operada pela Votarantin Metais, paira como um nuvem negra sobre a cidade e centenas de trabalhadores, com reflexo no setor público, para o qual já se teme que haja demissão.

Estima-se que 700 pessoas perderão, direta e indiretamente o emprego, com repercussão, além do serviço público, no comércio local. O sindicato dos Empregados da Prefeitura agenda uma audiência pública para o dia 25 deste mês na Câmara de Vereadores para discutir o assunto. A intenção é remover a Votarantin dessa ideia de dispensa, algo difícil de acontecer já o motor da ação da empresa é a falta de mercado para os seus produtos e aí deve prevalecer a lógica capitalista.

Só tem um jeito de reverter essa lógica: criar novos postos de trabalhos pela atração de novas indústrias para a região.

É o que se vislumbra com a iniciativa do Isepem, à frente Davi de Oliveira, ao assumir, a pedido da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China, de organizar um work-shop com a diretoria da CCIBC em Passos, no final de novembro e início de dezembro, reunindo prefeitos e lideranças da Ameg, Amog e Alago, o que representaria a presença de pelo menos 200 líderes chamados a discutir a aproximação com uma das economias do mundo, talvez a que perde apenas para os Estados Unidos.

Participar de encontros, conhecer as oportunidades de intercâmbio, promover a integração dos mercados e abrir as portas da região para investimentos chineses pode ser o caminho da superação de uma crise que se anuncia aterradora, por isso a iniciativa do Isepem deve ser acolhida e apoiada com todo o vigor necessário, por ser uma oportunidade ímpar para a busca de novas empresas para a região e geração de empregos, mais do nunca importantes para todos.

 

*Carlos Alberto Alves, engenheiro civil por formação e jornalista por opção