enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

14/10/2013 11:43h - Atualizado em 15/10/2013 09:39h

PARAÍSO IMPLANTA ONDA VERDE NOS SEMÁFOROS DA CIDADE

Por Jornal do Sudoeste
ONDA VERDE EM PARAÍSO
ONDA VERDE EM PARAÍSO

Mudança deu mais fluidez no trânsito da Avenida Angelo Calafiori sentido bairro (foto ao lado de Roberto Nogueira).

A Secretaria Municipal de Segurança, Trânsito e Transportes da Prefeitura de São Sebastião do Paraíso estabeleceu uma nova programação para os semáforos da Avenida Angelo Calafiori. A medida começou a vigorar na quinta-feira,10, e visa permitir a abertura das conversões junto com o sentido de fluxo da avenida, sem perder o sincronismo existente com o chamado sistema onda verde. Segundo Rosa dos Reis Lemes, da  Assessoria de Comunicação da Secretaria o sistema está funcionando no sentido Abadia para o centro da cidade.
Rosa explica que a “onda verde” consiste na sincronização dos semáforos, ou seja, a abertura em sequência. “O objetivo é facilitar o tráfego, permitindo que os condutores realizem percursos mais rápidos, evitando os congestionamentos ocasionados em razão do aumento acelerado da frota”, observa. Nas últimas semanas devido às alterações feitas nos semáforos dos principais cruzamentos no centro da cidade, o trânsito ficou mais lento e começaram a surgir vários pontos de congestionamento. “Foi acrescentado o sinal para os pedestres e agora serão feito os ajustes que se fazem necessário”, anuncia.
A onda verde é o resultado da tecnologia aliada a uma boa engenharia de tráfego para garantir o sincronismo dos semáforos. O motorista sai de um cruzamento em uma avenida, e na medida em que se aproxima do cruzamento seguinte, o semáforo abre. O fenômeno se repete nos demais cruzamentos, permitindo que os veículos façam grande parte do trecho sem ter que parar, considerando-se uma velocidade razoável. Infelizmente, nem sempre a onda verde funciona adequadamente. Um dos principais motivos são os relógios desajustados dos semáforos.
No momento a programação é feita manualmente, possibilitando que se houver queda de energia o sistema seja reiniciado e retorne a programação anterior (sem onda verde), havendo a necessidade de fazer a programação novamente. “Após vários estudos conseguimos implantar o sistema que está funcionando somente do sentido da Igreja Nossa Senhora da Abadia para rua Pimenta de Pádua”, explica a assessora.
Conforme a engenheira de trânsito, Valquíria Caetano de Pádua Vieira o município pretende investir na aquisição de novos equipamentos que permitem modernizar o sistema. “Estamos fazendo uma programação financeira para os próximos anos para aquisição da placa de sincronização para que seja feita a programação permanente (emissão de dados via GPS). Assim, não teremos problemas quando houver pico de energia”, ressalta. De forma bem simplificada, os dados necessários para o ajuste dos relógios dos semáforos são obtidos de um satélite, garantindo a sincronia desejada.
Valquíria destaca ser importante que o condutor se beneficie com a onda verde em sua totalidade. Para isso, ela relata que é necessário manter a velocidade constante compatível na via, caso contrário, não conseguirá fazer o percurso com todos os sinais abertos, ou seja, liberados para passagem de veículos. No entanto, os condutores devem respeitar a velocidade permitida para a via evitando acidentes de trânsito, devido a alta velocidade.
Sexta-feira (11), foi revisado também o tempo do semáforo da rua Soares Neto com a Dr. Placidino Brigagão, onde foi alterado de acordo com a necessidade da via. Rosa e Valquíria informam que novos estudos estão sendo elaborados e que os ajustes necessários serão providenciados. Além da contagem progressiva de carros e pessoas, também é levado em consideração o que determinam as resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). “Todos os serviços realizados pela engenharia de trânsito são com base em estudos e análises que ampliam as possibilidades de agilizar o tráfego e salvaguardar vidas”, explica a engenheira de trânsito.