enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

09/02/2013 12:02h - Atualizado em 09/02/2013 12:07h

HELVIO É DEMITIDO DA FESP

Por Carlos Alberto Alves
PROFESSOR HELVIO MAIA ASSINA RESCISÃO COM A FESP
PROFESSOR HELVIO MAIA ASSINA RESCISÃO COM A FESP

 

O professor de educação física, ex-diretor da FESP, Hélvio Maia foi demitido da Faculdade onde dava aulas.  A Faculdade de Educação Física é mantida pela Fundação de Ensino Superior de Passos, instituição que tem como presidente Fábio Kallas. O professor estava se preparando  para assumir suas aulas no início de fevereiro tendo, inclusive recebido da secretaria da escola todo o horário em que daria aulas durante o ano de 2013, quando foi surpreendido com o aviso prévio indenizado, dispensando-o do serviço por questões administrativas. Ele estranhou. “Num dia recebo toda a escala de horário do ano de 2013 e, sem qualquer alteração significativa, em outro sou demitido sob argumento de problemas administrativos”, diz surpreso.

Há razão para a desconfiança. O professor foi o único que se colocou publicamente contra as mudanças no estatuto da FESP, principalmente as dos artigos 23 e 38, que retiram o governador de duas decisões importantes da fundação.

A primeira é que trata da nomeação do Conselho Curador. Pelo estatuto atual, artigo 23,  o governador do Estado nomeia, baseado em lista sêxtupla, o Conselho Curador. Pela mudança proposta a nomeação dos dirigentes passaria ser de responsabilidade da assembleia geral da própria FESP.

Já a retirada do artigo 38, que prevê que qualquer mudança no estatuto deve ser instituída por decreto do governador, acaba de vez com  a participação dele nos destinos da instituição já que, a partir dessa mudança, a responsabilidade de aprovar mudanças no estatuto  ficaria a cargo da assembleia geral também.

Em abordagem feita pelo diretor da Fundação Vivaldo Pioto, responsável pela TV educativa Independência, o presidente da FESP, afirmara que não permitiria ingerência política nos destinos da FESP e que levaria “a ferro e fogo” essa forma de agir.

Acontece que o professor Hélvio Maia se posicionou publicamente contra a mudança do Estatuto e usou da prerrogativa de argumentar, por escrito (Leia matéria nas páginas 6 e 7) perante a curadoria das fundações conforme determina a legislação.

Ele apresentou a contestação à promotora Cristina Bechara no dia 15 de janeiro. Ela estava de férias. Retornou dia 26. O aviso prévio chegou a casa de Hélvio no dia 30 de janeiro. No dia 7 de fevereiro o professor foi convocado no Ministério do Trabalho para assinar a rescisão do contrato de trabalho.

As coincidências levam à suspeita de que a dispensa tenha motivações políticas por parte da FESP. A direção do Correio do Vale do Rio Grande enviou a seguinte pauta  para a assessoria de comunicação da FESP. “Pauta para assessoria de imprensa FESP/Correio do Vale do Rio Grande - Assunto: Demissão professor Hélvio Maia. - O professor Helvio Maia foi demitido depois de receber toda a grade de aula que daria este ano sob argumento de medidas administrativas. Ele também foi o único voto contra a mudanças dos artigos 23 e 38, propostas levada a assembleia da FESP no último dia 3 de dezembro  de 2012. Essa demissão não seria uma forma de puni-lo pela posição contrária ao que desejava a direção da instituição, sob o comando de Fábio Kallas?”. A resposta foi aguardada até o dia 8, às 12h.

 

  • Comentários
  • Marcos Baldini
    A notícia é triste e lamentável. A Fesp está "abrindo mão" de um excelente professor. O Hélvio Maia vai muito além da sala de aula, pois ensina que devemos lutar por aquilo que achamos justo, justamente para vivermos em uma sociedade justa. E justamente por tal motivo foi exonerado. A Direção da Fesp deveria estimular o diálogo e aprender a conviver com opiniões contrárias, ainda mais quando tais opiniões estão embasadas no bom senso. Com a posição tomada pelo Conselho Curador e seu presidente, parece que a Fesp estimula a formação de meramente pessoas subservientes, não de pensadores e livres.
  • DJALMA PENA DA SILVA
    Este não foi o primeiro a ser demitido da fesp por ir contra o ditador Fábio, desde que ele assumiu ele demitiu todos que são contra suas idéias
  • CARLOS PARADA
    Absurdo!!! Provocado pela mistura dos assuntos: prestação de serviços de profissional; estatutos da entidade e política. Não tem cabimento tal fato! É por isso que Passos sempre fica para trás em quase tudo! Democracia na FESP não existe a partir desta ação. E ninguem vai fazer nada? Vamos nos calar ou fazer a devida justiça??? Cadê o "mete bronca?"