enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

17/07/2019 13:26h - Atualizado em 18/07/2019 05:52h

Erick Silveira pede a exoneração de secretários

Por Carlos Alberto Alves

A reunião da Câmara de segunda--feira, 15/7, repercutiu a crise no transporte coletivo, dois dias antes de uma nova empresa começar atender a população. A expectativa é que a situação se normalize.  Mas pelos discursos proferidos na sessão ordinária deste semana, a crise deve ter desdobramento.

Dona Cida (PT) ao ocupar a tribuna, lamentou a situação vivida pelas pessoas e lembrou que tem cobrado ação da prefeitura para não deixar que pudesse surgir daí uma crise. "Vergonha nacional", apontou ela para a questão do transporte coletivo.

Em outra parte, disse que está sendo organizado um abraço a mina da Biquinha, na região da Penha, no dia 17 de julho, dia nacional da proteção ambiental, para alertar sobre a necessidade de respeitar o meio ambiente e cuidar das nascentes, "Todas as minas de Passos estão abandonadas", disse.

O vereador Alex Bueno (PSD), como Dona Cida, base do prefeito, defendeu a administração e destacou projetos que foram aprovados na casa, na área da saúde, como da saúde bucal e para compra de equipamentos, alimentação infantil e a volta do transporte coletivo.

O vereador ainda elogiou a iniciativa de moradores de abrirem a rua da Santa Casa por iniciativa própria e frisou que a prefeitura está ajudando,  dando suporte para a conclusão dos serviços.

O médico Rodrigo Barreto (PSD), que também é da base, começou sua fala elogiando a iniciativa de empresário que mesmo sem  lei de sua autoria, proibindo o uso de canudos de plástico - entra em vigor daqui a dois anos -já começa fazer uso do canuidinho de papel.

No que diz respeito a crise do transporte coletivo, o vereador avalia que a gestão do prefeito Renatinho não tem planejamento. "Não tem planejamento",  acusou.

Exoneração

O vereador Erick Silveira (PMD), oposição ao prefeito Renatinho, na sua fala, teceu duras criticas a administração, citando que a maioria dos projetos que o executivo envia para aprecição chegam com erros a casa. "Projeto do Código Tributário é um caso", outro é "o do Código de Saúde", mais um citados é que pedia autorização "para o empréstimo de R$13 milhões junto a CEF", que deveriam ser usados na infraestrutura urbana. "Foi enviado sem nomear as ruas que seriam beneficiadas".

O vereador peemedebista atribui  o momento vivido por todos a "incompetência dos secretários do prefeito. Para ele certos assessores deveriam se exonerados, mas o Renatinho tem dificuldade de fazer isso", afirmou.

Essa dificuldade se deve ao fato do prefeito valorizar a amizade e o vinculo político que tem com o grupo que o rodeia. "Mas se quiser governar tem que exonerar", afirmou.

No instante seguinte Erick disse os nomes dos assessores de  Renatinho que, na sua opinião, deveriam ser exonerados: Renato Mouhalem -Planejamento - Rossini Maia - Diretor de Transporte - Marcelo Vasconcelos - Procuradoria. "São eles os culpados por esta situação"., disse. Se não forem exonerados, que "peçam a exoneração", concluiu.

Téo Lemos (PSD) criticou a posição do vereador ERick Silveira, afirmando que na gestão de José Hernani um motorista ocupou a secretaria de saúde, mas não citou nome. 

O vereador também defendeu como resolvida a crise do transporte coletivo, dizendo que a tarifa passou de R$ 4,05 para R$3,30. "Uma economia de setenta e cinco centavos", esbravejou.

Ele também defendeu o Código tributário que, embasado na criação de novas taxas,  incluindo a Taxa de Iluminação Pública, geraria mais recursos para o município..

Também  fez criticas a não aprovação do projeto de criação de 165 cargos, que significariam  um economia de R$2 milhões, segundo ele.

Para Téo Lemos a proposta de exoneração de assessores de Reantinho faz parte da cultura do "quanto pior melhor".

Aline Macedo foi a última a usar a tribuna e fez um embate pontual com relação ao transporte coletivo. Ela disse que os ônibus voltaram a circular "por competência da Câmara e do Ministério Público" e que o assunto não esgota com isso, porque  a CPI do Transporte vai agir e "apurar responsabilidade".

Aline lamentou que em nenhum episódio de crise dos últimos dias o prefeito Renatinho Ourives "deu as caras".  A vereadora disse que ficou junto com manifestantes, cadeirantes, mais de cinco horas em frente a prefeitura e o "Renatinho não apareceu", afirmou.

Mesma atitude com relação aos trabalhadores da Conquista (Mão de obra das escolas, cantineiras, serventes e vigia noturnos) e da M3 (garis e varredores)

CPI do Transporte

Depois da sessão de segunda os componentes da CPI do Transporte se reuniram. O presidente é o médico Rodrigo Barreto, Relator Erick Silveira e membros Aline Macedo, Dona Cida e Belinha.  Começam agora a coleta de depoimentos dos envolvidos.