enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

10/06/2019 15:40h - Atualizado em 10/06/2019 15:44h

Abaixo assinado pede instalação de CPI para apurar de desvio de R$14 mi

Por Carlos Alberto Alves
Veradores recebem abaixo assinado com pedido de CPI
Veradores recebem abaixo assinado com pedido de CPI

 

Abaixo assinado, encabeçado e coordenado por Arlindo Nascimento e sua esposa, pedindo a instalação de CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar desvio de R$ 14 milhões da prefeitura de Passos entre 2012 até agora. O roubo já foi denunciado ao Ministério Público que crio a operação Sacripanta, que prendeu nove pessoas entre empresários e servidores públicos envolvidas na tramoia.

Foram 1.447 assinaturas colhidas por Arlindo e sua esposa; “Tenho defendido algumas iniciativas do governo Bolsonaro”  nas redes sociais, “Aí começaram a  cobrar porque não fazia algo pela minha cidade”, disse acrescentando “resolvi fazer”, mesmo sem apoio de outras pessoas.

O recebimento aconteceu depois que o presidente da Casa, Rodrigo Maia, suspendeu a sessão  e em frente ao local de trabalho da  mesa diretora recebeu o documento.

Arlindo Nascimento disse que ouviu de muitos que a CPI era desnecessária, porque o MP já havia investigado o caso.

Ele disse que viu a denuncia do MP. “Eram fraudes de simples constatação”, mas ninguém da câmara e da prefeitura conseguiu averiguar.       “ Olha, por exemplo o caso do secretário de obras, que assinava notas fiscais falsas, tem o caso da varrição onde trabalhava 20 e se informava a prefeitura que eram 30”, disse.

Nascimento também relatou aos vereadores do espanto das pessoas quando eram informadas do tamanho do desvio e se queixavam da falta de remédios, de cirurgias, de emprego, enter outras situações.

Por fim considerou que a constituição do Estado de Minas consigna aos vereadores o papel de fiscalizas, mesmo que outros órgãos do judiciário  também tenham o mesmo procedimento.

O presidente da Câmara em encaminhou o do documento para protocolar. “Encaminhamos o documento para serventia da Casa. Vou pedir uma análise do jurídico e logo que tivermos resposta, encaminhamos ao senhor”, informou